domingo, 13 de janeiro de 2013

De direito, de fato e de coração

Hoje sou uma mulher não só oficialmente casada, mas simbolica e emocionalmente casada. Não sei se consigo escrever sem reviver as emoções e tome chororô, mas vou tentar.
Na sexta-feira foi o casamento no civil. No meio da correria dos preparativos, para tudo que tá na hora de casar! Dá uma bagunçadinha no cabelo, faz uma maquiagem básica e toca pro fórum. Erico estava numa elegância só. Mas mais alinhadas que linha de trem estavam minha sogra e cunhada. Gente, um arraso!!! 
A cerimônia de Dr. Alberto, para variar, foi lindíssima e emocionante. Ainda bem que ele não mandou a gente falar, porque ia ser difícil. Agradeço a todos que estiveram presentes: Amanda, Jonatan, Nildes, Bruna, nossos pais, Daisy, Tiago, Bia.
No sábado, aí sim posso falar em correria. Fomos dormir mais de 1h da manhã fazendo arranjo de flores. Por volta de 10h, me tiraram de casa talvez com medo de um surto???. Lá vai eu pegar bem casado, macaron, mini bolo, comprar espátula, cestinha para as flores. Quando chego em casa, parecia que o trabalho não terminava nunca. Claro que eu só lembrava de um sonho que tinha tido há algum tempo de que na hora de os convidados chegarem não tinha nada arrumado. Aos poucos, as coisas foram se ajeitando, o espaço tomando forma e o nosso projeto acontecendo. 
Por volta de 14:30h, tive de parar para tomar banho. A vontade era continuar trabalhando para ver tudo pronto, mas sabia que não dava. Depois do banho, ainda ajudei em algumas coisas. Então, Carlos e Max chegaram para a maquiagem. Ficou tudo lindo. 
O DJ demorou horrores para começar, se atrapalhou todo com as músicas, uma confusão tão grande que eu já estava quase decidindo entrar sem música nem nada. Mas aí finalmente ouvi a música que marcava o início da cerimônia. Ouvi a música de minha daminha e minha florista. Ouvi os gritos e palmas dos convidados quando o noivo entrou. Ouvi a minha música que foi a mesma música que o noivo escolheu para ele. E entrei com meu lindo buquê de flores de tecido e de braços dados com meu pai esses meses todos ele me disse que não entraria comigo. Era um corredor de gente, as pessoas de pertinho me vendo entrar, muitas já chorando. Fixei num ponto do horizonte e segui adiante.
Então começa a cerimônia. A celebrante, minha prima Bárbara, falou lindamente. Apesar de saber tudo o que estava escrito no roteiro, ainda assim me emocionei aliás, acho que todo mundo chorou. Também foi difícil ler meus votos e segurar as lágrimas na hora dos votos de Erico.
Foi lindo ver Bia e Dudinha trazendo as alianças. E as palmas dos convidados quando a cerimônia terminou. 
Inesperados também o abraço emocionado de minha sogra e de minha cunhada e suas palavras cheias de carinho. Sim, eu vou cuidar dele, podem deixar comigo.
Eu não sei explicar a minha satisfação por tudo ter dado tão certo. O que deu errado foi tão pequeno que acho que só percebeu quem sabia exatamente como tudo deveria transcorrer. Não faltou comida, bebida ou espaço. Até o calor deu uma trégua, e chuva, que tinha dado as caras na noite anterior e pela manhã, só caiu depois da festa. Cada detalhe fez sucesso. Acho que muita gente sequer imaginava a riqueza do que faríamos. Tudo foi elogiado pela simplicidade, pela personalidade, pelo cuidado e pela beleza. Alguém disse que foi o casamento mais bonito que já tinha visto. E eu me senti extremamente orgulhosa de tudo que fizemos, sem falsa modéstia. Por conta disso, não pude deixar de agradecer às pessoas que tanto me ajudaram, além de meu pai e minha mãe. Achei que minha mãe fosse passar mal de tanto chorar quando viu a réplica da Igreja de São Judas Tadeu que eu comprei diretamente da Armênia.
E a hora da fita no bolo e do buquê? A mulherada descontrolada para puxar a fita do bolo e ver quem seria a próxima a casar!!! E depois quase me derrubando da escada para pegar a fita que estava amarrada no buquê! Isso sem falar no nome na barra do vestido!!! Nalva foi a sortuda o mesmo não posso dizer do futuro pretendente, que, se bobear, termina algemado!.
O que mais posso falar de uma festa que foi ainda melhor do que eu podia imaginar? O que posso dizer da presença em peso de tantas pessoas queridas? E a emoção de finalmente estar casada com a pessoa que escolhi para estar ao meu lado? Hoje, posso dizer que valeu à pena cada segundo de trabalho, cada hora a menos de sono, cada centavo investido. Sim, uma festa dessa é investimento, não tenho dúvida. É reafirmar amizades, estreitar laços, solidificar relações, emanar amor. É dar e receber carinho. É se sentir importante na vida das pessoa e ter a certeza de que essas pessoas são imprescindíveis nas nossas vidas.
Eu começo uma nova forma de escrever a minha história com Erico, formando a nossa família. Mas não esqueço de onde viemos, de quem são nossas raízes e de todas as pessoas que fazem de nossa vida uma belezura de se viver!
E, mais uma vez, obrigada a todos aqueles que fizeram desse dia um dos mais bonitos da minha vida!!!

4 comentários:

  1. AMEI ESTAR LÁ!! FOI TUDO LINDO A VIDA DE VOCÊS VAI SER AINDA MAIS ESPECIAL! LUIZA VAI LER AQUI PARA SE INSPIRAR PARA O DELA. MANDEI ELA APRENDER TUDO!!! BEIJOS NOS CORAÇÕES!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estaremos a postos para meter a mão na massa!!!

      Excluir
  2. E tome choro meu de novo...buááááá

    ResponderExcluir
  3. Primeira vez que piso aqui! Adorei inaugurar a senhora casada! Beijo grande e parabéns!!!
    Manoela

    ResponderExcluir